14 de abril de 2024
DestaquePolícia

Pai se irrita com choro e mata filho de seis meses; é linchado e salvo pela polícia



Dorival Soares dos Reis Neto, de 29 anos, confessou ao delegado Edner Rogério Ferreira, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), de Marília, que matou seu filho, o bebê John Soares Dos Reis Oliveira Dias, de seis meses de idade. O crime ocorreu na manhã desta sexta-feira (01), em um apartamento dos predinhos da CDHU, na zona sul de Marília. O acusado chegou a ser linchado por moradores e foi salvo pela polícia.

O pai afirmou em depoimento que vinha agredindo a criança há algumas semanas e que dessa vez “ficou irritado” ao ouvir o choro da criança. Havia marcas de mordidas e hematomas pelo corpo do bebê. Dorival falou que deu vários tapas fortes na cabeça do bebê e em outras partes do corpo. Como a criança não parava de chorar ele a levou para o chuveiro e depois a colocou deitada no berço de barriga para baixo.

Dorival revelou ainda que após deixar a criança sozinha no quarto, permaneceu assistindo a um filme e somente voltou a ver o filho quando o filme já havia terminado. Ao entrar no quarto da criança, percebeu que ela não respirava.




Diante disso, ele chamou pela cunhada Ariele que reside no mesmo prédio de apartamentos. Ela acionou o SAMU que levou a criança ao Hospital Materno Infantil, onde não resistiu aos ferimentos e faleceu em decorrência das agressões físicas que sofreu.

Ao tomar conhecimento da morte da criança e das agressões feitas contra ela pelo pai, moradores do condomínio passaram a agredir Dorival. Ele foi salvo de linchamento por policiais militares que atenderam a ocorrência.

Diante da morte da criança e dos anteriores atos de agressão física feitos pelo indiciado, aliado à sua confissão, ele foi autuado em flagrante delito pelo crime de homicídio qualificado (motivo fútil, tortura e recurso de impossibilitou a defesa do ofendido).



Por se tratar de infração penal inafiançável, ele permaneceu preso na CPJ e será submetido à audiência de custódia, neste sábado (02). Foi elaborada, em apartado, representação para a conversão da prisão em flagrante delito em prisão preventiva.

SEM PERÍCIA E APARTAMENTO DESTRUÍDO
Além de espancarem e tentarem linchar o assassino, os moradores não permitiram perícia técnica no local do crime e destruíram quase tudo no apartamento onde Dorival morava com a esposa, de 23 anos. Ela foi ouvida na DIG por cerca de duas horas e dispensada em seguida.

Do Jornal do Povo Marília

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *